Nossas escolhas

Escrever sobre escolhas não é nada fácil. Principalmente quando escolhemos caminhos sem planejamento.

Uma pessoa pode influenciar muito o caminho de outras pessoas. Para ilustrar, vou utilizar nomes fictícios para os personagens. E como escrito em obras de ficção, qualquer semelhança, terá sido mera coincidência.

Houve a muito tempo atrás, um garoto que se chamava João. Era filho de pais semi analfabetos e morava numa cidade muito nova. Nesta cidade, brincou, estudou, participou de grupo de jovens, aprendeu a fumar, participou de racha de carros no autodramo desta cidade, e devido a sua vida um tanto quanto agitada, namorou com várias garotas. Seu hobby preferido era viajar, pegar a estrada para ele era tudo, nela se sentia livre quando acelerava o seu possante.

Na década de 90, sua vida e a vida de muitas pessoas sofreram de certa forma uma mudança de planos. Não que tenha acontecido algo trágico, mas que algumas ações tenham mudado o seu futuro e o de outras pessoas.

No inicio desta década, João conheceu uma menina muito linda, vinda de outra cidade, a qual ficou encantado com tamanha beleza. Entretanto, quando a conheceu melhor, percebeu que seu gênio não era nada fácil, aliás muito parecido com o gênio de sua mãe. Ironia ou não, João estava revivendo o seu complexo de Édipo, sem ao menos se dar conta do que estava acontecendo.

Esta garota talvez tenha sido a conquista mais difícil a que João tinha investido. Tudo o que fazia no início não surtia efeito. Até que no dia do aniversario da garota, resolveu dar uma das suas mais ousadas cartadas. Enviou um bouquet de rosas vermelhas para a casa da garota com um cartão que dizia mais ou menos assim: “Me desculpe pelo presente, mas não sabia o que poderia lhe dar. Feliz aniversario! Ps.: espero que não fale para o seu namorado”. Neste dia, João chegou para almoçar e logo recebeu um telefonema da garota agradecendo o presente, ela disse que este havia sido o primeiro bouquet que recebera em sua vida. João ficou feliz com a estratégia utilizada e sentiu que teria alguma chance com a garota.

Um dia se passou e o namorado da garota chegou. Quando viu o bouquet de rosas, não pensou duas vezes e o jogou no lixo. A partir dai, a briga se armou e o namoro entre os dois acabou.

A partir dai, João resolveu investir na garota. Entretanto, mal sabia o que lhe esperava. Conquistar esta garota não seria uma tarefa fácil. Para tanto, utilizou o que todos deveriam fazer em suas escolhas, utilizar a estratégia. E assim o fez, utilizou bem a sua estratégia e conseguiu conquistar a paixão de sua vida.

Mas só estratégia garantiria o sucesso. Lógico que não! Para que a estratégia tenha sucesso, é necessário investir muito em planejamento e em gerenciamento. E porque não falar em gerenciamento de projetos? Isso mesmo, gerenciamento de projetos.

Se João tivesse conhecimento, técnicas e habilidades de planejamento e gerenciamento de projetos, talvez estaria com a garota até hoje. Como não gerenciou bem as crises, acabaram rompendo o relacionamento e cada um escolheu seus respectivos caminhos.

A partir dessas escolhas de cada um, outras pessoas presentes em suas vidas tiveram suas vidas alteradas. De um lado, João mudou-se para outra cidade e conheceu a mulher da sua vida. E a garota, continuou no mesmo lugar e conheceu também o homem da sua vida.

A escolha que fazemos, os caminhos que tomamos na vida são feitos de decisões e escolhas. Assim, o que cada um de nós é hoje, seja na sua vida profissional, seja na sua vida pessoal, é conseqüência destas escolhas e das ações adotadas para efetivá-las. Algumas são essenciais e importam decisões sobre nossa religião ou nosso papel social. Outras são operacionais, como a roupa que vamos vestir hoje para ir trabalhar.

O que vale para as pessoas também vale para as empresas, ou seja, uma empresa sobrevive ou não, tem êxito ou fracassa, de acordo com as decisões e escolhas que fez ou faz, de suas estratégias e foco, seus sistemas de crenças e valores, seu estilo gerencial, seus processos, suas estruturas, as pessoas que seleciona, o sistema de treinamento e desenvolvimento que adota. Ou, de acordo com Peter Drucker, “o produto final do trabalho de um gerente são decisões e ações”.

Assim sendo, três aspectos devem ser considerados:

A todo momento, queiramos ou não, conscientes ou inconscientes, por ação ou omissão, estamos sempre fazendo escolhas. E nunca é demais lembrar que não escolher já é uma escolha;

Se queremos ser os timoneiros da nau da nossa vida, devemos procurar ser conscientes das escolhas que fizemos e estamos fazendo, pois é esta consciência que nos permite assumir a responsabilidade pelos nossos atos e, conseqüentemente, continuar com o que estamos fazendo ou então mudar. É conveniente ter presente que algumas escolhas deram certo em determinados contextos, mas que se adotadas em outros podem ser profundamente negativas. Um pequeno exemplo: alguém que quando criança, para obter o carinho e a atenção dos pais, chorava, fazia manha ou gritava. Depois, quando adulto, para ter as suas necessidades de aceitação e reconhecimento atendidas, adota comportamentos de essência semelhante que, sem a menor sombra de dúvida serão totalmente inadequados, gerando respostas justamente opostas às desejadas;

Podemos, através do desenvolvimento pessoal, aumentar a nossa esfera de escolhas. Aprender, no fundo, importa ter mais opções, isto é, ampliar possibilidades. A questão básica é o que aprender para que possamos ter êxito neste mundo de crescente insegurança, complexidade, ambigüidade e imprevisibilidade. E isto também é uma escolha.

Escolha ou alternativa consiste num processo mental de pensamento envolvendo o julgamento dos méritos de múltiplas opiniões e a seleção de uma delas para a(c)ção. Alguns exemplos simples incluem decidir-se levantar pela manhã ou voltar à dormir, ou escolher um determinado trajeto para uma viagem. Exemplos mais complexos (freqüentemente decisões que afetam crenças pessoais) incluem a escolha de um estilo de vida, filiação religiosa ou posição política.

A maioria das pessoas considera ter alternativas uma boa coisa, embora uma escolha severamente limitada ou artificialmente restrita possa levar ao desconforto com a opção selecionada e possivelmente a um resultado insatisfatório. No extremo oposto, alternativas ilimitadas podem levar à confusão, remorsos pelas opções não escolhidas e indiferença, numa existência amorfa.

One comment

  1. Olá Fernando,
    Obrigada pelas palavras na publicação do meu artigo, quando se deseja e se empenha é possível fazer a diferença… mesmo diante de todas as dificuldades que enfrentei, tudo valeu a pena, o sabor da vitória de cada obstáculo superado é muito maior e gratificante para mim.
    Sinto que a minha missão nessa etapa foi cumprida e não conseguiria se não tivesse contato com o apoio de pessoas como você, Daniela, amigos de trabalho e sem dúvida toda minha família por cada segundo abdicado em prol dessa conquista.
    Obrigada mais uma vez!
    Renata Antunes

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s